Prevenção de acidentes domésticos em tempos de isolamento social

Por

Em tempos de corona vírus com o avanço da Covid-19 e consequentemente o isolamento social, todos aqueles que podem, estão em casa se protegendo e protegendo aqueles que ama.

Diante deste novo cenário prevenir acidentes domésticos, se apresenta como um cuidado tão necessário quanto o fiel cumprimento das medidas recomendadas pelos Órgãos de Saúde, que dizem respeito aos cuidados necessários que evitarão o contágio e propagação do vírus.

Antes de iniciarmos é importante ressaltar que, neste período, em que o uso de álcool em gel 70% é amplamente recomendado, e houve a liberação do álcool em sua forma mais perigosa, a líquida, deve-se garantir que a criança apenas o utilize sob supervisão direta de um responsável, impedindo possível ingestão e irritações na pele, nos olhos ou na boca.

Cuidados com as crianças

Atenção especial para impedir que a criança tenha acesso aos recipientes com álcool para fazer brincadeiras que envolvam fogo ou se a mesma se aproxima de alguma fonte de chama e calor como fogões e churrasqueira por exemplo. Em caso de acidentes, é fundamental manter a calma e buscar quem possa oferecer os primeiros socorros e imediatamente contactar o serviço de urgência, SAMU 192.

Os acidentes domésticos estão intimamente ligados às fases das crianças, as quais são caracterizadas por sua inerente curiosidade que é bastante aguçada no seu contínuo aprendizado. Na faixa etária de 1 a 5 anos por exemplo, as quedas, queimaduras, aspirações ou introdução de corpos estranhos e exposição a substâncias químicas encontradas no ambiente doméstico, para citar apenas alguns exemplos.

Diálogo, a base de tudo

Explique aos seus pequenos que há coisas que podem ou não ser feitas em casa, fora ou dentro.  Mostre usando uma linguagem adequada a cada idade, para que serve cada coisa, sendo enfático ao que pode ser mais perigoso.

É fundamental que se saiba que com crianças pequenas, somente conversar pode não ser suficiente e será preciso impor limites  na hora da diversão e brincadeiras, e que o perigo e os cuidados servem para todos. Lembrando que o exemplo será seu grande aliado.

Não são férias! É isolamento social

Com as aulas em recesso as crianças estão em casa e tal qual como no períodos das férias escolares, tem o tempo integral para explorar a casa para brincar e ocupar seu tempo fazendo as suas artes de criança, sem esquecer de atividades escolares, atualmente realizadas em casa. Nestes períodos em especial, é preciso redobrar os cuidados.

A principal recomendação durante o afastamento social e o isolamento é que os pais e responsáveis encontrem formas de reorganizar a rotina doméstica, sendo altamente necessário adotar medidas de segurança redobradas para garantir a proteção das crianças e idosos.

Importante conhecer, para prevenir

Segundo a ONG Criança Segura, cerca de 90% das lesões em acidentes não-intencionais com crianças até 14 anos poderiam ser evitadas. Com medidas de prevenção simples, o ambiente pode se tornar mais seguro. Basta que os pais e responsáveis ponham em prática as medidas de segurança necessárias. Para saber mais detalhes veja este outro artigo no blog, clicando AQUI.

De acordo com o Ministério da Saúde, há durante o período de férias, análogo ao período de isolamento em que vivemos, um aumento na casa dos 25% de ocorrência de acidentes domésticos, em relação ao período das aulas regulares.

É importantíssimo que você tenha em mente que há ambientes como a cozinha, área de serviço, piscinas, tanques de lavar roupa ou qualquer recipiente com água merecem atenção especial particularmente relacionadas às crianças. Analise sua casa e busque situações de possíveis acidentes levando em consideração as características e faixa etária de seu filho ou criança que esteja sob seu cuidado.

Além da orientação, prevenção e vigia, é importante que pais e responsáveis tenham sempre em mente que os perigos estarão presentes e fazer com que a criança compreenda o motivo de cada limite, permitirá que ela tenha maior consciência de seus atos e desenvolva pensamento crítico e preventivo.

Com muito mais tempo ocioso em casa as crianças tendem a buscar cada vez mais novas aventuras, afinal, tem tempo de sobra. Diante deste novo cenário, com crianças fora fora da “salvadora” sala de aula, cabe aos pais ou responsáveis definir novas estratégias para controlar o ímpeto dos pequenos, mantendo-os sob vigilância constante, orientando e participando ativamente sempre que possível das brincadeiras e atividades.

Cuidados com as crianças

Infelizmente acidente doméstico revela-se como uma dos principais causadores dos atendimentos, internações, incapacidades e óbitos em crianças e idosos. Diante disso, cuidados redobrados devem ser adotados também com relação aos idosos, que assim como as crianças estão mais suscetíveis aos acidentes domésticos. Porém, felizmente medidas simples podem fazer a diferença para a preservação da vida e do bem estar de quem amamos. Vejamos algumas dicas:

  • Para evitar os choques elétricos, há dispositivos que vedam as tomadas, e é fundamental orientar as crianças sobre os riscos de brincar perto dos fios da rede elétrica.
  • As janelas dos apartamentos devem ter redes de proteção ou grades. É recomendado não deixar móveis posicionados próximos  a elas.
  • Nos quartos e salas, os cuidados devem ser com as divertidas escaladas em armários e gavetas – as quedas são um percentual alto (e grave) dos acidentes domésticos.
  • Jamais após lavagem de roupa e limpeza doméstica, deixe tanques, bacias e baldes com água. Dependendo do tamanho da criança, poucos centímetros de água serão suficientes para um afogamento. Evite que a criança tenha acesso onde haja recipiente em uso, inclusive máquinas de lavar em ciclo de funcionamento.
  • Não permita brincadeiras de perseguição e similares pois o risco de queda é enorme. Queda está entre os principais acidentes domésticos com crianças.
  • Casas que tem animais domésticos que tem livre circulação ou permanência entre os moradores também merecem atenção para que não se tornem um perigosos obstáculo causador de quedas.
  • Atenção as brincadeiras que as crianças fazem com seus animais domésticos já que ambos podem ter comportamentos e reações imprevisíveis possíveis de causar quedas, mordeduras, arranhões como também ferir o próprio animal.

Cuidados com os idosos

De acordo com informações no site da SBGG- Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, a cada ano, aproximadamente de 30 a 40% dos idosos são vitimados por quedas ao menos uma vez e as consequências  extrapolam o aspecto físico, deixando também sequelas psíquicas e sociais.

Podemos afirmar sem medo de errar que crianças e idosos fazem parte dos dois maiores grupos de risco dadas as características de impetuosidade típica das crianças como também a vulnerabilidade do idoso, principalmente porque seu corpo está mais frágil e são necessários maiores cuidados para manter uma boa qualidade de vida.

Para se ter uma ideia, segundo dados do Sistema Único de Saúde (SUS), 75% das lesões sofridas por pessoas com mais de 60 anos são acidentes domésticos. Os números são alarmantes. E, muitas vezes, nem percebemos o quanto podem ser graves os acidentes e suas consequências. O mais grave é saber que alguns desses acidentes são fatais. Mas, se paramos para pensar, eles poderiam ser evitados com atitudes bem simples. Como as abaixo por exemplo:

  • Se sua casa tem piso cerâmico por exemplo, evite que o piso fique molhado pois eleva consideravelmente  risco de escorregões e quedas.
  • Manter o chão do banheiro sempre seco para que seja um ambiente seguro, sobretudo para idosos. Não menos para crianças.
  • Evite que o idoso use tamancos, chinelos ou calçados sabidamente lisos o uso de tapetes em escadas e próximos delas também.
  • Esteja atento à medicação que o idoso consome. Dosagens inadequadas podem causar efeitos adversos que possam possam por exemplo deixar o idoso com dificuldades motoras e cognitivos ou intoxicação.
  • Não permita brincadeiras de perseguição e similares pois o risco de queda é enorme. Queda está entre os principais acidentes domésticos também entre os idosos.
  • Casas que tem animais domésticos que tem livre circulação ou permanência entre os moradores também merecem atenção para que não se tornem um perigosos obstáculo causador de quedas.

Para que você, querido leitor, que precisa e quer proporcionar mais segurança para seus idosos, leia outro artigo deste blog clicando AQUI.

Certamente os acidentes domésticos com idosos podem ser evitados colocando em prática atitudes preventivas e um olhar atento e cuidadoso tanto nos ambientes internos bem como nos ambientes externos da sua casa o farão perceber situações facilmente corrigíveis e criar um ambiente mais seguro e saudável.

Especial atenção para os principais vilões afetam os idosos como por exemplo escadas inadequadas, mal sinalizadas ou iluminadas, ambiente desorganizado, pisos irregulares e molhados ou úmidos, banheiros inadequados, para citar apenas alguns.

Por mais atentos que os responsáveis sejam ainda assim, os acidentes podem ocorrer, afinal, as crianças têm muita energia e mesmo que você pense não ser possível prevenir 100% das situações de risco, faça o máximo que puder.

Atualmente devido ao isolamento social, nossos idosos estarão em alguns casos mais isolados em relação à família e responsáveis. Diante disso, deste isolamento, é recomendadíssimo encontrar soluções práticas para manter contato e supervisão mesmo que a distância, de forma a poder dedicar mais atenção, conforto e segurança para seu idoso. Principalmente se não for possível manter um familiar ou cuidador nesses tempos tão difícil para todos.

Proteja a si e sua família

  • Lave com frequência as mãos até a altura dos punhos, com água e sabão, ou então higienize com álcool em gel 70%.
  • Ao tossir ou espirrar, cubra nariz e boca com lenço ou com o braço, e não com as mãos.
  • Evite tocar olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Ao tocar, lave sempre as mãos como já indicado.
  • Mantenha uma distância mínima de cerca de 2 metros de qualquer pessoa tossindo ou espirrando.
  • Evite abraços, beijos e apertos de mãos. Adote um comportamento amigável sem contato físico, mas sempre com um sorriso no rosto.
  • Higienize com frequência o celular e os brinquedos das crianças.
  • Não compartilhe objetos de uso pessoal, como talheres, toalhas, pratos e copos.
  • Mantenha os ambientes limpos e bem ventilados.
  • Evite circulação desnecessária nas ruas, estádios, teatros, shoppings, shows, cinemas e igrejas. Se puder, fique em casa.
  • Se estiver doente, evite contato físico com outras pessoas, principalmente idosos e doentes crônicos, e fique em casa até melhorar.
  • Durma bem e tenha uma alimentação saudável.
  • Utilize máscaras caseiras ou artesanais feitas de tecido em situações de saída de sua residência.
  • IMPORTANTÍSSIMO: MÁSCARAS NO QUEIXO OU PENDURADAS NAS VENTAS, NÃO SERVEM PARA NADA. A NÃO SER PARA RIDICULARIZAR QUEM AS USA DESTA FORMA.

Finalizando, quando o assunto é a preservação da vida e do bem estar de todos, toda a família deve adotar comportamentos preventivos, vigilância constante e cuidadosa para que os riscos e a exposição desnecessárias,  sejam  minimizados e todos nós, principalmente as crianças e os idosos, não necessitem experimentar situações traumáticas e marcantes.

Se você gostou e achou este artigo útil, veja todo o nossos conteúdos, vale muito a pena.

Compartilhe para que mais pessoas tenham acesso a estas informações.

Deixe um comentário