Cuidado com os choques elétricos

Por

Cuidado com os choques elétricos

Nossas casas deveriam ser o lugar mais seguro onde poderíamos ficar. Porém, é inegável que o lugar onde temos nossa guarida, muitas vezes tido como o ambiente mais seguro, pode ser o responsável pelo nosso fim, ou de alguém que amamos.

Escrevo este artigo, para versar sobre um tema muito importante pois os acidentes decorrentes de choque elétrico, embora não seja o tipo de acidente doméstico com maior incidência é um dos que tem sérias e irreversíveis consequências devido ao seu alto potencial de letalidade.

É em nossas casas que as crianças, frequentemente juntamente com os idosos quase sempre ficam em situação de vulnerabilidade e expostos a diversos tipos de acidentes, inclusive aqueles envolvendo a rede elétrica.

É em casa que principalmente os pequenos têm contato com tomadas, fios e eletrodomésticos, causadores de choques com consequências leves a graves. Um risco muito comum, que agora alerta os pais e especialistas devido ao grande número de ocorrências de registro de óbitos, infelizmente os infantis.

Em 2015 com relação ao ano anterior, aumentou consideravelmente o número de mortes infantis em consequência de choque elétrico no Brasil. Chegou a um índice de 60% conforme dados da Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel).

Em 2014, foram registradas 20 ocorrências deste tipo. Já em 2015, os acidentes com eletricidade causaram 32 mortes de crianças de 0 a 5 anos de idade.

Potenciais vítimas

Voltando a falar das potenciais vítimas, as crianças menores, requerem redobrado cuidado devido a fragilidade embora sua capacidade de recuperação seja muito positiva.

Já os idosos, infelizmente têm capacidade de recuperação das queimaduras por choques elétricos reduzidas, devido também a sua fragilidade.

As lesões mais graves são as queimaduras de 3º grau, que são mais profundas, comprometendo os tecidos e necessitam de tratamento, que podem demorar semanas a meses, podendo também exigir cirurgias para limpeza e em casos realmente graves, enxerto de pele.

A intensidade da rede elétrica é que determinará a gravidade da queimadura, contudo, mesmo que nas nossas casas a voltagem seja inferior à da rua, por exemplo, isso não quer dizer necessariamente que não haja risco.

Das 32 mortes de crianças por eletricidade registradas em 2015, apenas quatro foram decorrentes de acidentes nas áreas externas às casas, com fio partido na rua e contato com poste ou grade metálica.

A título de informação, tendo como fonte das informações o Anuário Estatístico Abracopel de Acidentes de Origem Elétrica, seguem alguns números.

De 2013 a 2016 ocorreram:

  • 91 óbitos cujas vítimas eram crianças de 0 a 5 anos
  • 66 óbitos cujas vítimas eram crianças de 6 a 10 anos
  • 136 óbitos cujas vítimas eram crianças de 11 a 15 anos
  • 181 óbitos cujas vítimas eram donas de casa, diaristas ou domésticas.

Você mesmo pode tomar algumas medidas preventivas em sua casa. Fique atento para ver se há fiações expostas (fora de conduítes) e se não apresentam pontos de aquecimento, o que pode ocasionar curtos-circuitos e, consequentemente, fontes de incêndios.

Por falar em curto-circuito, é altamente aconselhável ter um bom quadro de comando elétrico em casa, devidamente dimensionado e identificado. Os disjuntores deverão ser específicos para cada classe de tensão e corrente, sem esquecer de utilizar os disjuntores do tipo DR.

Em toda a sua casa, as tomadas e equipamentos, estarão protegidos. Se por exemplo, uma criança colocar o dedinho ou um objeto metálico na tomada, a mesma nada sofrerá uma vez que o DR desarma automaticamente.

Consulte um bom eletricista

Consulte um bom eletricista e solicite explicações sobre este dispositivo. As instalações elétricas e as pessoas estarão muito mais protegidas, caso opte por este dispositivo para preservar sua rede elétrica.

Verifique, também, se as tomadas e interruptores estão em boas condições de conservação, bem como devidamente protegidos. Existem, no mercado, protetores de baixo custo que devem ser colocados nos orifícios para evitar que crianças menores introduzam objetos que possam causar choques. Afinal, todo o cuidado é pouco.

Caso você presencie alguma ocorrência de choque elétrico, imediatamente vá até o painel e desligue a chave geral. Retire imediatamente a vítima do contato com a fonte elétrica sem tocar diretamente na pessoa com as próprias mãos, para conseguir isso, utilize um pedaço de madeira ou qualquer outro material não condutivo de eletricidade, tal como um tubo de PVC, uma corda, panos secos por exemplo e em seguida, procure o atendimento de emergência imediatamente. 192 SAMU ou 193 BOMBEIROS.

Fica então, o alerta para que sejam tomadas todas as providências e cuidados com relação à eletricidade e seus riscos. Se utilizada da forma correta, é nossa aliada.

Do contrário ela será nosso algoz, implacável e que cobra um alto preço de quem não a respeita adequadamente.
Se você achou este artigo útil e relevante, compartilhe este conteúdo com mais pessoas nas suas redes sociais.

1 comentário em “Cuidado com os choques elétricos”

Deixe um comentário